quarta-feira, 16 de agosto de 2017

I ARTE, POLÍTICA E UNIVERSIDADE

Nesta quarta (16/08), foi realizado no auditório do COART/UERJ, o primeiro seminário ARTE, POLÍTICA E UNIVERSIDADE. Uma iniciativa da equipe da Coordenadoria de Oficinas Artísticas – COART e integra as atividades de greve dos servidores técnicos e docentes da UERJ.

O objetivo do encontro, neste momento crítico para a educação pública no Brasil, é repensar as nossas práticas políticas e artísticas, evidenciando alguns dos seus limites, tensões e contaminações.


O evento reuniu indivíduos e coletivos que atuam em diferentes frentes da cultura e educação, dentro e fora da universidade, buscando a reinvenção e a partilha de modos de fazer.



Mesa I – Arte e Política em Estados de Exceção (9:30-12:00)

MARCELO CAMPOS
Professor Adjunto do Departamento de Teoria e História da Arte do Instituto de Artes da UERJ. Doutor em Artes Visuais pelo PPGAV da Escola de Belas Artes/ UFRJ. Diretor da Casa França-Brasil entre 2016 e 2017. 

CAMILA JOURDAN
Professora adjunta do Departamento de Filosofia da UERJ. Doutora em Filosofia pela PUC do Rio de Janeiro. Atua principalmente nas áreas de Filosofia da Linguagem, Teoria do Conhecimento, Lógica e Filosofia Contemporânea.

ALBA RIBEIRO
Profissional da área técnico-administrativa da UERJ há 35 anos. A partir de 2008 assumiu a Chefia da área de Produção/Programação dos espaços culturais da UERJ. Em abril de 2017 assumiu a chefia da Divisão de Teatro.

Mediação: Marcelo Reis de Mello
Orientador de Oficinas Artísticas / Literatura da COART – UERJ.

Mesa II - Universidade: Monumento da cultura e monumento da barbárie (14:00-16:30)

JOSÉ URUTAU GUAJAJARA
Professor e mestre em Tupi pelo Museu Nacional da UFRJ, pós-graduado em educação indígena pela UFF e em línguas indígenas pela UFRJ. É uma das principais lideranças da Aldeia Maracanã. Pertence ao povo Tenetehara, 'verdadeiro ser humano', conhecido pela literatura como povo Wazaizara (Guajajara), 'dono do cocá', concentrado em sua maioria ao sul do estado do Maranhão.

PEDRO RAJÃO
Idealizador e um dos produtores do Leão Etíope do Méier, facção cultural que atua principalmente no Méier, com ações esporádicas em outras áreas da cidade. Atualmente trabalha como tradutor na Rajão&Athayde Tradutores. Há 5 anos dirige e produz o documentário Anikulapo, que trata de Fela Kuti e o movimento político e musical do afrobeat.

Mediação: Rafael Silveira
Orientador de Oficinas Artísticas / Artes Visuais da COART – UERJ. 

Apresentações:

OFICINA EXPERIMENTAL DE POESIA (17:00-17:30)
Desde 2011 a Oficina Experimental de Poesia acontece semanalmente, sempre gratuita e aberta. Atualmente está instalada do Centro Cultural Municipal João Nogueira, o Imperator. É constituída de encontros em que escritores, pesquisadores, professores, profissionais do meio editorial e o público interessado trocam informações e vivências sobre poesia.

MULHERES DE PEDRA (17:30-18:00)
Mulheres de Pedra é um coletivo que objetiva valorizar o protagonismo da mulher negra na construção de um outro mundo no qual as relações se tecem através da arte, da educação, da economia solidária e da diversidade cultural. Um grande investimento do trabalho se dedica ao desenvolvimento local, no bairro de Pedra de Guaratiba, na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro.

VARALGRAFIAS (9:30-18:00)
Alunos e ex-alunos do curso de fotografia digital da Coordenadoria de Oficinas Artísticas da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, que mantém viva a chama de produzir imagens como meio de expressão artística e política. As fotografias feitas pelo grupo possuem diversas temáticas e, nesta exposição, pretende refletir a situação de sucateamento progressivo da UERJ.

A COART é um projeto de caráter extensionista, pedagógico e cultural, com o objetivo de desenvolver aptidões por meio de distintas linguagens artísticas.

O diretor do Jornal Impacto, Luiz Martins fez a cobertura do evento.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Copyright © JORNAL IMPACTO | Suporte: Mais Template