quinta-feira, 12 de outubro de 2017

O maior parque urbano do mundo em chamas

Balões, vândalos, tempo seco e a falta de chuva têm causado incêndios nas vegetações do maior parque urbano do mundo, o Parque Estadual da Pedra Branca, uma unidade de conservação ambiental situada na zona oeste do município do Rio de Janeiro. 

No dia 11 de outubro,  por volta das 15h, o diretor do Jornal Impacto, Luiz Martins, esteve no referido parque e registrou um incêndio no alto do morro que foi controlado pelos guarda-parques do local. Em entrevista ao Impacto, o senhor Antonio Turco, responsável pela unidade Piraquara, no bairro de Padre Miguel, disse que eles têm tido muita dificuldade para apagar os incêndios que vêm acontecendo no local, informou também que os recursos oferecidos pelo governo estadual não são suficientes. Luiz Martins presenciou a dificuldade dos guarda-parques subindo ao morro carregando abafadores para pagar o incêndio. São uns verdadeiros heróis.

PROJETO CARBONO ZERO NA CAMPANHA 2016.

Com apoio do Governo do Estado, do INEA – Instituto do Ambiente, da Secretaria do Ambiente e do Rio 2016, foram plantadas 3.580 mudas de árvores da Mata Atlântica, com objetivo de neutralizar as emissões de gases do efeito estufa.

A região é protegida desde 1974, quando foi criado o Parque, que possui cerca de 12.500 hectares de área coberta por vegetação típica da Floresta Atlântica e guarda o ponto mais alto da cidade do Rio de Janeiro, o pico da Pedra Branca, com 1024 metros de altitude.

É o maior parque natural urbano do mundo com sua área de 12.500 hectares e com cerca de 80 Kms de diâmetro. O Pico da Pedra Branca, com 1.025 metros de altitude, ponto culminante da cidade, pode ser visto de qualquer parte dos bairros de Bangu, Realengo e da região da Barra da Tijuca, principalmente do Recreio dos Bandeirantes (litoral) e adjacências.

A Pedra do Hime, com 356 metros de altitude, cujo seu cume esta a 1024 metros de altitude ao nível do mar, também conhecida como "pedra do canino",  tem muitas vias de escalada.

Em fevereiro de 2017, foi inaugurada a Trilha Transcarioca que popularizou as paisagens antes pouco conhecidas das áreas de mata do Rio. Um dos exemplos é a Pedra do Osso, que fica na unidade Piraquara na Zona Oeste. A formação rochosa despertou a curiosidade das pessoas por se “equilibrar” verticalmente sobre o solo e parecer desafiar a gravidade. De acordo com informações geológicas, esta pedra foi formada há mais de 500 milhões de anos.
O parque é encoberto por vegetação típica da Mata Atlântica (cedros, jacarandás, jequitibás e ipês), a qual serve de abrigo a uma generosa fauna composta por jaguatiricas, preguiças-de-coleira, tamanduás-mirins, pacas, tatus, lagartos, ouriços, tucanos, jacus, inhambus e cotias.

O papel das florestas na vida do ser humano sempre foi compreendido. No entanto, apenas depois das consequências negativas na qualidade de vida e depois de muitos anos, as influências florestais sobre o clima, ar, água, solo, saúde e aspectos psicológicos dos homens ganharam sua real importância.

O aumento da população, aliado às mudanças do ambiente impostas pelo homem, exercem grandes pressões sobre a atmosfera, ocasionando diferentes impactos sobre a natureza.
Por isso, que estejamos juntos nesta empreitada de ajudar a natureza e preservar nossas matas. Para que a nossa missão seja alcançada plenamente, o Jornal Impacto gostaria que todos participassem desta ideia. 
Por Luiz Martins. 
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Copyright © JORNAL IMPACTO | Suporte: Mais Template