segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Agregando diversão e aprendizagem

Agregando diversão e aprendizagem por (Professor Edson Paiva).

Como agregar diversão e aprendizagem ao contexto escolar?

Esta resposta deve ser muito bem vinda por todos educadores que atuam em sala de aula no ensino fundamental. Mas, mediante a dura realidade parece estar distante de se tornar uma realidade, não é? Errado!

O professor regente tem inúmeros problemas e inúmeras possibilidades pedagógicas diariamente. E, a partir da observação dos problemas é possível usar a criatividade para sanar tal dificuldade no aluno, seja cognitiva, ‘’indisciplina’’ ou comportamento. Cada caso é um caso, não há receita mágica, claro. Porem, as tentativas devem ser incansáveis.

Atuando no 6 ano Experimental neste ano de 2017, numa turma bastante heterogenia, com grandes  discrepâncias no nivelamento cognitivo- 40 alunos. Atuei incansavelmente com diversas tentativas/ possibilidades quase que diariamente para poder reunir diversão e aprendizagem. É importante entender que, quanto mais atualizado o regente estiver, mais condição, mais possibilidades poderá utilizar em sua prática de ensino.

Em 2016, também com 6ano Experimental, a partir de julho iniciei uma pratica de Xadrez em sala de aula. Percebi que um número expressivo de alunos se interessou em participar. Foi tão interessante a inclusão do Xadrez nas aulas que ao final do ano letivo fizemos o 1torneio de Xadrez Escolar da nossa escola Nair da Fonseca. Na ocasião unimos alunos de 4 turmas de 6ano da escola. Foi muito bom!

Já neste ano, com a turma de 40 alunos, utilizei de estratégias bem mais pedagógicas. Planejei o ensino ao jogo; a história do Xadrez, contos relacionados ao Xadrez; assistimos vídeos sobre o valor e importância de saber jogar Xadrez, o quão é benéfico ao aluno.

No inicio das praticas havia alunos com conceitos muito baixos, que estavam com altíssimas dificuldades em alcançar os objetivos propostos. Contudo, ao nos utilizarmos da valorização da prática de Xadrez e o quão é de excelência quem sabe jogar Xadrez, muitos alunos se dedicaram tanto, que facilmente for percebido avanço cognitivo em grande parte. Muitas vezes eu utilizava de ‘’barganha pedagógica’’- ‘’só entra nos grupos de Xadrez quem alcançar os objetivos propostos’’.

Não se trata de ser só mais um jogo. O Xadrez utilizado como ferramenta pedagógica é sim um jogo, mas também é arte, é jogo da memória, é disciplina, concentração, tomada de decisão, respeito, ética, autoestima e muito mais.

No ultimo dia 17 de novembro, fizemos a culminância do projeto Xadrez Escolar- Um projeto de Vida. Dentro do andamento das atividades, tivemos alunos monitores, os quais monitoravam alunos de outras turmas; assim foi possível nos utilizarmos no ambiente escolar de ação integrada; os alunos eram participes do processo de ensino/aprendizagem.

A relevância do projeto foi tanta que o mesmo está embasado em teorias educacionais. Todos os alunos monitores foram observados individualmente no processo quais os mesmos adquiririam informações, liberdades, atividades, valores, a partir da influencia e participação. Isto é aprendizagem significativa. Ele aprende e percebe a relevância, está ao seu alcance de imediato a sua utilização e sua pratica. Isto é sócio interacionismo.

A culminância foi em grande evento de Xadrez Humano- as peças eram os próprios alunos. Um tabuleiro gigante, uma apresentação impar aos pais, aos alunos de outras turmas que se impressionaram com a inovação. Com certeza o xadrez escolar interage com o meio externo, sai da teoria e se torna pratica, ao mesmo tempo que é possível aguçar a relação mediada por sistemas simbólicos. No xadrez escolar há interdisciplinaridade, há amadurecimento da percepção, atenção é memória. E tudo isto com muita diversão.
  
Edson Paiva - Educador e Ativista Cultural.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Copyright © JORNAL IMPACTO | Suporte: Mais Template